IV Fórum das Ações Estratégicas do PETI é realizado em Morrinhos

IV Fórum das Ações Estratégicas do PETI é realizado em Morrinhos

 

A Prefeitura de Morrinhos, através da Secretaria de Desenvolvimento Social, realizou, nesta quarta-feira, 12 de junho, o Fórum das Ações Estratégicas do PETI. O evento ocorreu na no Teatro Juquinha Diniz e foi destinado à rede socioassistencial do município, conselhos e entidades que atendem a crianças, adolescentes ou famílias, além de secretarias, judiciário, comércio e segurança pública, para informar e capacitar os trabalhadores da rede e ajudar na identificação do trabalho infantil nos atendimentos. O vice-prefeito Dr. Tércio Menezes e a primeira-dama Terezinha Amaral abriram a programação com mensagens de zelo e cuidado.

Entre os representantes de diversos setores convidados, estiveram presentes a coordenadora do Programa, Dalva Divina da Silva Barbosa; a representante do Conselho Tutelar, Célia Olerante; o presidente do Conselho da Criança e Adolescente, Vanderlei Rodrigues; a coordenadora de atenção básica, Josyane Cruvinel; o tenente  do Corpo de Bombeiros, Ricardo Mattos; o representante do Ministério do Trabalho, Adirjamir Rodrigues; a representante da Coordenação Regional de Educação, Cristina Soares; as auditoras fiscais do trabalho, Sharena Andrades Gomes e Suzana Rodrigues Lacerda, e o secretário da Amem, pastor Laurence Miller.

O vice-prefeito Dr. Tércio Menezes disse que o objetivo da campanha visa trazer a conscientização às pessoas. “A Prefeitura vem atuando muito firme com o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), mas nós precisamos que cada pessoa, seja despertada para esse tema. É através da conscientização das famílias, que as nossas crianças precisam ter uma infância ideal voltada para brincar e para estudar”.

Com o tema “Não proteger a infância é condenar o futuro”, o evento abordou também a necessidade de oferecer possibilidades aos jovens que já estão inseridos ou caminham para o mercado de trabalho de forma precoce e ilegal, sem respeitar seus direitos trabalhistas e suas condições físicas e psicológicas. “Não adianta só dizer que o jovem não pode trabalhar. Ele não pode trabalhar sob determinadas circunstâncias, mas há critérios para o trabalho, existem meios legais para isso e é o que estamos tentando desenvolver no município, trazendo para essa discussão a classe dos empresários e comerciantes, para que entendam e se envolvam como parceiros sociais”, disse Sharena Andrades.

Também houve apresentação, do grupo de dança do Centro de Artes, interpretando a música: “Garoto de Rua”, de Zezé de Carmargo e Luciano. Após a palestra, os presentes debateram diversas questões, mencionando os entraves no dia-a-dia quanto ao assunto.