O “Seminário Intersetorial de Enfrentamento às Violências Infantojuvenis” teve início em Morrinhos nesta sexta-feira, 19 de outubro, no auditório da UEG. Promovido pela Prefeitura de Morrinhos, através da Secretaria de Saúde, em parceria da Secretaria Estadual de Saúde, a iniciativa alertou e conscientizou profissionais da área e população para a temática.

Durante a abertura, uma participante contou detalhadamente sobre o que viveu na sua infância e como se superou. Em seguida, o secretário de Saúde, André Luiz, destacou a importância do enfrentamento e o trabalho em rede. “Esse assunto é considerado ainda um tabu por grande parte da população, especialmente porque a maioria dessa violência é praticada no seio das famílias. Por conta disso, muitas pessoas têm vergonha de denunciar. Mas nós, como órgãos de proteção, temos obrigação de lutar para que se denuncie e mostrar que teremos uma atitude eficaz para proteger as crianças”, disse agradecendo o apoio dos municípios da regional sul e de outras regiões presentes.

 “É preciso garantir que crianças e adolescentes tenham seus direitos assegurados. A proposta é sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade para participar da luta em defesa dos direitos de crianças e adolescentes. As discussões sobre práticas para garantir direitos e proteção a esses grupos são essenciais”, declarou Terezinha Amaral.

O vice-prefeito, Dr. Tércio Menezes, frisou a importância de proteger as crianças e adolescentes morrinhenses. “Já avançamos muito, mas precisamos avançar ainda mais. A Prefeitura tem se empenhado para que esses avanços aconteçam, com ações, projetos e parcerias com instituições, a fim de combatermos juntos todos os abusos acometidos em desfavor de meninas e meninos. É fundamental que seus direitos e seus futuros sejam protegidos”, diz representando o prefeito Rogério Troncoso.

No cronograma do evento, aconteceu relatos de vítimas, experiências exitosas e mesa redonda para a formação da rede de proteção. Todos os representantes dos municípios presentes comentaram que ao longo do ano promoveram ações para prevenir a violência e o abuso sexual contra crianças e adolescentes, assim como atendimentos às vítimas, por meio da atuação do Conselho Tutelar, Centro de Referência Especializado de Assistência Social, e trabalho de prevenção nos CRAS. O NASF e o CAPS também abraçam essa causa e mobiliza toda a sociedade.